É só uma membrana. Só. E é elástica

Recebi um e-mail essa semana que é basicamente a repetição do que já li várias vezes desde que comecei a escrever o Cem Homens: a garota é virgem e, por alguma razão que desconheço, tem vergonha de assumir isso.

Bom, vamos à mensagem, que está em itálico. Meus comentários estão em negrito ao longo do texto.

Tenho 19 anos e sou virgem, ou quase isso, depende do conceito de virgindade.

Primeira (e aparentemente eterna) questão: pra quê conceituar a virgindade? Além de ser importante para a saúde pública, qual a relevância disso? Sério, é uma pergunta honesta. 

Qual é o conceito de virgindade? Num relacionamento heterossexual, normalmente é quando o pênis entra na vagina. Ok. E se você for lésbica? E se for gay? E se você for hétero, já tiver feito de tudo (sexo oral, anal, masturbação no parceiro, etc), você ainda é virgem?

Ou a questão toda é o pênis? Ainda somos essa sociedade falocêntrica? 

Se a resposta for “sim”, é preciso um pau dentro da buceta para dizer que alguém não é mais virgem, eu fico com outra pergunta: por que tratamos a primeira vez de uma forma totalmente diferente entre garotos e garotas? 

Bom, eu acho que a resposta vocês já sabem. 

Sua virgindade não é a medida do seu valor

O fato é que nunca tive um pênis dentro de mim, porém sou adepta da masturbação desde que eu tinha 12 anos (ou até menos, a partir dos 12 eu tenho certeza).

Quando eu era adolescente havia uma dúvida assombrosa: absorventes internos tirariam a virgindade? Confesso que nem me passava pela cabeça introduzir algo na minha vagina durante a masturbação. 

O que deveria importar é se a pessoa teve uma RELAÇÃO SEXUAL, e não se ela tem uma MEMBRANA. E devemos nos preocupar com a primeira vez porque isso gera uma série de responsabilidades que poderiam ser resolvidas com educação sexual de qualidade. Se aquela pessoa sabe os cuidados a serem tomados para garantir a saúde física (camisinha, anticoncepcional, exames regulares) e emocional, é o que importa.

Logo, “perder a virgindade” (odeio essa expressão) pressupõe uma relação sexual, não a mera introdução de um objeto na vagina. 

Atualmente quando me masturbo geralmente é “algo externo”, já tem algum tempo que não coloco nada dentro de mim, porém, já fiz isso no passado. Enfim, acho que meu hímen já se foi. Não, nunca fui ao ginecologista, sei que deveria o fazer, mas houve fatos que contribuíam para isso. O primeiro é que fui criada em uma cidade muito pequena onde todo mundo se conhecia, e a minha mãe muito conservadora não ia engolir fácil quando eu pedisse para ela me levar ao ginecologista (ela é quem iria pagar afinal de contas!). Hoje, por causa da faculdade, moro em uma cidade maior com duas amigas e me sustento, ou seja, poderia muito bem ir ao ginecologista.

Um erro muito comum: achar que só se deve ir ao ginecologista quando se tem vida sexual ativa. Há uma infinidade de infecções e outras doenças que uma jovem pode ter sem nunca ter feito sexo. Candidíase, por exemplo, chega a ser corriqueira. Também há questões hormonais importantes. 

Eu sei que esse não é um problema da leitora. Dificilmente os pais acham que as filhas estão na idade de ir ao ginecologista. Mas essa cultura precisa mudar. Gineco não é médico de quem fode; é médico de quem tem sistema reprodutor com útero e ovário. 

Mas aí eu me pergunto: e se ele questionar se eu sou ou não virgem? Como eu já disse anteriormente, o conceito é um tanto complexo. Daí eu digo que sou e estou lá sem hímen, ou digo que não sou e o tenho. Ou senão eu falo: “Então Dr., eu metia as coisas dentro de mim quando eu tinha 12 anos, mas nunca um pênis, se é que o senhor me entende”. Vai por mim, eu não consigo. E eu também não tenho certeza se o hímen está ou não lá.

Bom, ele provavelmente vai perguntar se você é sexualmente ativa e qual a sua última relação sexual. A resposta é simples: você nunca teve uma (para fins puramente médicos, você nunca teve). 

Esqueça o hímen. É só uma membrana e ela não necessariamente é rompida quando se introduz algo na vagina – seja um vibrador, seja o dedo, seja um pinto. Há diversos tipos de hímen e cada uma de nós funciona de um jeito. 

Sobre isso, sempre indico o vídeo da ótima Laci Green sobre a primeira vez (é em inglês).

NINGUÉM sabe que eu me masturbo, essa é a primeira vez que conto a alguém (e está sendo via e-mail).

Esse é um tabu e tanto (e injustificável em 2012). Desde sempre os meninos são estimulados a se masturbarem. “Coisa de homem”, os pais dizem. Achavam normal, quando eu era adolescente, que os meninos tivessem revista de mulher pelada. Hoje, é totalmente aceitável que eles vejam pornografia online.

Ninguém pergunta também por qual razão aquele rolo de papel higiênico ou papel toalha está ali no quarto. Se uma garota tiver um massageador, porém, é razão para começar a terceira guerra mundial! 

Falem mais de masturbação, garotas. Contem para suas amigas o que funciona pra você. Façam um tour ao sex shop. Vejam quantas coisas bonitas, coloridas e anatomicamente perfeitas estão à venda. É bom, é gostoso. 

Já cheguei muito perto de transar, MAS MUITO PERTO MESMO, do tipo, só não rolou porque a gente tava no carro do amigo dele (eu com a minha saia toda levantada) e o bendito amigo chegou. Não tenho a pira de perder a virgindade com um príncipe encantado que vai chegar em um cavalo branco, nem quero um relacionamento sério num futuro próximo, estou focando na faculdade e no meu trabalho. Aos sábados saio para a balada e sim, pego geral (mas tudo fica no beijo na boca e na mão boba) e eu adoro isso! Atualmente estou mantendo contato com um cara que eu conheci na balada e  ele já deixou bem explícito que quer sexo. E sei lá, estou com vontade de transar!

Mas essa é minha dúvida: Conto ou não conto que sou virgem? Será que ele vai perceber? Me ajude por favor.

Bom, vamos lá. 

Perceber? Hum. Por questões físicas, tipo sangramento ou dor? Não tem como saber de antemão. Há mulheres que nunca sangraram (eu, por exemplo), outras que sangraram na hora, muitas que sangraram só quando já estavam sozinhas. 

A dor costuma aparecer, mas também não há regra. E não só virgens sentem dor, então isso não é indício de que aquela é a primeira vez da garota.

Se ele vai perceber porque talvez você não saiba direito o que fazer? É possível. Mas tem gente (homens e mulheres) que mesmo depois de transar mil vezes ainda não sabem o que fazer. Logo, também não tem como bater o martelo.

Mas eu acho que sim, todo mundo deve contar quando é a primeira vez. Porque talvez você precise de um pouco mais de paciência, talvez você se confunda ao colocar a camisinha, talvez você sangre. 

Existe a possibilidade do cara fugir, assim como pode ser que ele se sinta o máximo por “desvirginar mocinhas inocentes”. As duas atitudes são idiotas, pois dão imenso valor a algo que não tem tanta importância assim.

Antes que digam “ah, pra mim foi importante!”, eu sugiro um exercício. Pense se você deu esse valor todo porque VOCÊ quis ou se foi porque a nossa cultura coloca a “castidade” como parte do caráter de uma mulher.

O que se quer é que os jovens adiem o início da vida sexual, e não que eles transem com responsabilidade. Falso moralismo, machismo, controle. O peso que se dá à virgindade da mulher tem a ver com isso, não com a saúde dela.

Então, o que importa é você (leitora que mandou o email e você aí que está me lendo) se cuidar física e emocionalmente. Transar quando tiver certeza, quando já tiver ido ao gineco (eu sei que isso é quase utopia, mas sigo torcendo!), quando souber direitinho quais riscos você corre, quando tiver um parceiro bacana (não um príncipe encantado porque isso não existe!), quando você estiver fazendo por você, e não para agradar, conseguir algo, ser aceita. Por você e pra você.

***

Sigo respondendo perguntas no ask.fm (ask.fm/vidadeleticia), usando freneticamente o Twitter (@vidadeleticia) e postando coisas no Facebook (é só clicar em “curtir” nesse quadrinho aí na lateral esquerda). Interajam! E bom fim de semana. :)

Compartilhar

9 pensamentos em “É só uma membrana. Só. E é elástica

  1. ainda existe isso? nem posso acreditar!
    minha geração teve muito repressão, a gente tinha que se guardar. e eu me ferrei, casei virgem aos 25, nunca tive prazer. se tivesse uma filha jamais deixaria que cometesse este erro!

  2. Esse post serviu pra mim. Também nunca tive relações sexuais (nossa, ao comentar parece difícil conceituar tudo isso rsrs).
    Bem, mesmo conversar muito sobre sexo, sempre tive certaconsciência em relação à virgindade: informação (boa parte aqui), saúde, preparo emocional, camisinha… Fui ao ginecologista duas vezes, creio que com uns 13 anos ou um pouco depois (as duas consultas foram próximas). Mas teve uma vez em que minha mãe voltou a ter consultas com um ginecologista de longa data, e ele sugeriu a minha mãe que não era necessário me levar a um ginecologista enquanto sou virgem (provavelmente nesse conceito primitivo de pênis dentro da vagina). :s
    Depois que ela me contou isso fiquei sem jeito, pois se por alguma circunstância que me impeça de fazer uma consulta “discreta”, eu meio que teria que “anunciar” que eu não sou mais virgem. E me sinto numa saia justa, pois minha mãe nunca conversou comigo sobre sexo e tem opiniões um tanto conservadoras sobre isso.
    De qualquer modo, você me ajudou muito a compreender muitas questões. Muito obrigada!

  3. Antes de contar minha história (real), aconselho ela a ver se relamente quer transar com este cara, cuidado pra ele não ser, mais um babaca que só quer “comer uma virgenzinha”, pois acredite, essas coisas hoje em dia ainda acontecem…

    Bem… Me pareço muito com a moça aí do post principal.. Me masturbava muito na adolescência (muito mesmo), e gostava disso.

    “Perdi a virgindade” de fato aos 19 anos, com um namorado o qual eu estava super apaixonada…

    Antes de transarmos de fato, rolaram várias “brincadeiras” (se é que vocês me entendem). Inclusive eu chegava ao orgasmo algumas vezes, mas ainda sem a penetração de fato, pois ainda não me sentia “preparada”, e ele sabia disso. Nessas brincadeiras, meu hímem foi rompido, mas eu já não me importava com isso, como disse a Letícia era só uma película que pra mim não tinha muita importância (percebi porque sangrou muito pouco, mas chegando somente a manchar um pouco a calcinha).

    Ele também estava apaixonado, e me tratou com um super carinho, foi paciente e tal…. Na primeira vez em que houve a penetração de fato, claro que doeu (ele era enorme srsrs), doeu a segunda vez, a terceira um pouco, depois comecei a curtir o sexo de fato, como ele deve ser, com muito carinho e respeito…

    Adorava transar com ele, ele era um espetáculo, me satisfazia muito, fazia questão de eu gozasse várias e várias vezes…
    Pena que o namoro acabou, por outros motivos…

    Hoje ele é casado e já tem uma filha (mora em outro estado), e eu estou pra casar em breve. Vez em quando nos falamos pela Internet, ficou uma amizade legal.

    Certa vez conversando com ele (ainda quando namorávamos), ele disse que não esqueceria de mim pois eu tinha sido a primeira “virgem” dele, enfim… Foi uma maravilhosa troca de experiência, que ficará para sempre na lembrança.
    Amo meu noivo, hoje o sexo é muito bom entre nós, mas como diz aquela velha frase… A primeira vez a gente nunca esquece…

    • Keka, bacana você lembrar com carinho, mas isso é muito subjetivo. Eu lembro do cara com quem eu transei porque, por mais que eu goste de variedade de parceiros, eu lembro de todos. E eu fui apaixonada por ele. O sexo não tem qualquer relevância na minha história com esse cara (para o fato de ele ser lembrado, digo).

  4. Gata, vá ao médico!
    Se descubra, viva curta.
    Se pra você é importante estar com alguém que te conhece um pouco melhor, fale desse assunto. Confie, divida. Escute também o que o outro quiser te contar sobre ele. Sexo pode unir muito as pessoas. Criar laços.
    Ou não.
    Se pra você não é tão importante assim, não conte.
    faz o que o seu coração mandar!
    Não é que a opinião do outro sobre a importancia de saber disso não tenha valor. É que se a gente não consegue conhecer/lidar com a nossa própria expectativa, lidar com a do outro fica mais complicado.
    e boa sorte ;)

  5. Pingback: Cataria Migliorini, a capa da Playboy e a virgindade | Cem Homens

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>